julho 30, 2013

Cruzeiro no Nilo

Na minha opinião, não existe maneira melhor de conhecer o Egipto do que um cruzeiro pelo Nilo. Começando em Luxor ou em Assuão, o percurso é encantador e proporciona tudo o que se possa desejar. A paisagem é magnífica e transporta-nos para tempos que não imaginávamos ainda existir! Para além de poder relaxar ao sol ou na piscina, tem ainda a oportunidade de visitar os principais templos do Egipto.
Embarque comigo nesta viagem mágica...




Dia 2, Cairo/ Assuão

Acordámos bem cedo e fomos conduzidos ao aeroporto para a ligação Cairo/ Assuão onde nos aguardava um navio de cruzeiro. Do avião tinha vista previligiada sobre o rio Nilo, verdadeiramente magnífico. As áreas verdes e povoadas só existem nas margens do rio, de resto é apenas deserto e mais deserto.
Rio Nilo




Navio M/S Florence 5 estrelas
Obelisco Inacabado
Quando chegámos fomos levados diretamente para o navio onde tivemos a primeira boa notícia  Por avaria do navio que nos era destinado recebemos um upgrade para um navio de 5 estrelas.

Praticamente em jejum, iniciámos a primeira visita do dia: a visita à Grande Barragem do Assuão e ao Obelisco inacabado. A barragem é de facto grande mas nada de especial. O facto  que mais me marcou acerca desta barragem, envolveu a sua construção em 1960, quando 24 monumentos tiveram de ser mudados para outras localizações, entre eles o templo de Abu Simbel que infelizmente não visitei e que segundo outras pessoas é magnífico:
Algumas fotos depois dirigimo-nos então ao tal Obelisco Inacabado que não passa disso mesmo. Um grande obelisco com 40 metros que estava a ser esculpido na pedreira há milhares de anos atrás, quando se rachou, tendo sido deixado para trás.


Barragem de Assuão, ao fundo o templo de Philae resgatado pelo Unesco do "fundo da barragem"


Dia 3, Aldeia Núbia/ início do cruzeiro

Uma das visitas opcionais consistia numa visita  a uma aldeia núbia (ver artigo sobre a excursão) que ficava no outro lado do rio. Entramos a bordo de uma tradicional "Feluca" e iniciamos um mini cruzeiro simplesmente fantástico, a beleza do rio é absolutamente deslumbrante. Depois de atracar nas margens do rio, já próximos à aldeia núbia, saltamos para as costas de um dromedário e fizemos o pequeno percurso pelo meio da aldeia onde visitámos uma casa tradicional onde nos ofereceram chá e Chicha e fizeram uma pequena demonstração com crocodilos do Nilo.
No final tivemos tempo para nadar no Nilo antes da viagem de regresso.




 


Ao final da tarde e depois de um dia de muito sol no deck do navio, seguimos viagem até Kom Ombo onde chegámos já depois do merecido jantar.
O templo é muito bonito e bem conservado pois foi resgatado do meio do areal. Torna-se um pouco complicado de desfrutar do momento devido à afluência de turistas japoneses (camera freaks!) e Espanhóis que são mais que as mães! E já me esquecia do bando de vendedores a querer vender disfarces para o baile no cruzeiro.
Rumamos a Edfú nessa mesma noite.
Templo de Kom Ombo.., depois daquela multidão!


Dia 4, Edfú/ Esna

A aldeia de edfú, tal como muitas outras, parece ter sido abalada por um sismo. A evolução aqui é muito lenta, não fossem os cabos da eletricidade eu diria estar no século XVII.
O templo de Edfú é majestoso e encontra-se milagrosamente conservado. Mais uma vez os japoneses foram implacáveis "devorando" todos os planos fotográficos possíveis!
Templo de Edfú (www.marcelodalla.com)


Depois seguimos em direção a Esna onde o navio tem de passar por uma espécie de comporta já que o nível do rio é diferente.
Comporta em Esna
Foi uma tarde ótima para aproveitar os 40 graus que se faziam sentir naquela zona. Olhando para as margens do rio, parecia que o tempo por ali não havia passado. As pessoas, vestidas com trajes tradicionais, a trabalhar no campo, a lavar a roupa ou a pescar no rio em frágeis embarcações dão uma certa alma a este local que é de facto mágico. Até as técnicas de pesca que pude observar são muito rudimentares. Os pescadores usam paus para agitar as águas e conduzir o peixe às redes onde é capturado!

Depois de passarmos a comporta de Esna, pudemos contemplar um estupendo pôr do sol nas margens do Nilo.



Pescando no Nilo


Esna


Esna


Esna


A passar pela comporta...





Dia 5, Luxor

Amanheceu e eu estava entusiasmado por visitar a tão aclamada necrópole de Tebas e o Vale dos Reis. No Vale dos Reis visitámos 3 túmulos, entre eles o tumulo de Ramsés II, no entanto as múmias não se encontram no vale e sim no museu do Cairo. Dentro dos túmulos o ambiente é um pouco assustador e para quem é claustrofóbico também não é o ideal, mas vale mesmo a pena. Infelizmente no seu interior é proíbido tirar fotos.
Tumulo de Ramsés II (foto:Wikipedia)
No outro lado da montanha que compõe o Vale dos Reis visitámos o famoso Templo de Hatchepsut.., famoso pelas piores razões já que foi aqui que em 1997 que seis terroristas islâmicos assassinaram com facas e metralhadoras 58 turistas!! Felizmente os tempos são outros e hoje em dia os templos estão cercados por vários polícias armados.

Depois visitámos os Colossos de Memnon mesmo à saída da necrópole de Tebas. São duas imponentes estátuas do faraó Amen-hotep III que seriam as guardiãs do templo funerário do  faráo. O templo tinha cerca de 385 000 metros quadrados, sendo um dos maiores da Antiguidade, mas infelizmente foi devastado pelas inundações do Nilo e pela extracção de materiais.

Hatchepsut


Um dos Colossos de Memnon
 De seguida foi tempo de visitar os templos de Luxor e Karnak. O que mais me chamou a atenção no templo de Luxor foi a ausência do Obelisco que deveria acomponhar o seu par à entrada do templo. O Obelisco oferecido aos franceses por Mehmet Ali em 1829 ainda continua em França. Hoje os franceses recusam-se a devolver o obelisco.

Templo de Luxor


Templo de Karnak
Templo de Karnak é enorme e foi considerado um dos maiores do mundo. A pouco e pouco o templo ergue-se novamente, por enquanto os trabalhos de reconstrução proseguem. A altura das colunas é verdadeiramente colossal e alguns desenhos ainda mantêm as suas cores originais.

No final da tarde voámos de Luxor para o Cairo numa viagem que foi um autêntico terror com muita turbulência, mas a aterragem ainda foi pior, parecia que o avião se desfragmentava aos poucos!
E assim terminava o cruzeiro.

Este cruzeiro faz parte de uma viagem ao Egipto em 2009 (veja aqui o relato completo)


Cruzeiro Recomendado (veja aqui)

Ficha técnica

Data da viagem: 19/11/2009- 25/11/2009

Agência de Viagens:
Sugar Travel
Site: sugar-travel.pt
Operadora: Image tours (http://www.imagetours.pt/)
Programa: Egito Mágico
Valores: aprox. 990 euros (valores de 2009)

Cruzeiro a bordo de M/S Royal Princess *****

 http://www.nile-cruise-egypt.com/Nile-Cruises/Royal-Princess.asp
A minha classificaçao: ***
Staff simpático
Quarto confortavel
Piscina no deck deixa muito a desejar

Visitando:

Grande Barragem do Assuão
Templos de Abu Simbel (opcional)
Aldeia núbia (opcional)
Templo de Kom Ombo
Templo de Edfú
Necrópole de Tebas
Templo Deir El Bahari
Colossos de Mémnon
Vale dos Reis
Templo de Luxor
Templo de Karnak

Reacções:

0 comentários: