agosto 03, 2016

De Volta à Ásia: Laos, Vietname e Camboja (parte 2)

Dia 15Hoi An/ Ho Chi Minh (antiga Saigão)


A viagem pela famosa linha da reunificação ficou por aqui, pois não fazíamos intenção de passar pelas praias de Nha Trang que por esta altura ainda não estão no ponto! Como a viagem de comboio entre Hoi An e HCM é bastante longa, optámos pelo avião com a companhia Jetstar que pratica preços apetecíveis, cerca de 35 dólares por pessoa com malas de porão incluídas!

Devido a um atraso do voo, acabamos por chegar um pouco mais tarde do que esperado, e neste primeiro dia não apenas tivemos tempo para visitar a cidade. Na parte da tarde fizemos a visita aos famosos túneis de Cu Chi Minh por apenas 4 euros por pessoa!

Os túneis de Cuchi são um sistema de túneis no distrito de Cuchi, Cidade de Ho Chi Minh que foi construído durante a Guerra do Vietname pelos comunistas vietnamitas. Muitos soldados e líderes comunistas viveram neste sistema de túneis durante a guerra. O exército dos Estados Unidos e Vietnã do Sul não foi capaz de destruir esse sistema. Hoje, é um destino popular para turistas.

Armadilha para apanhar soldados americanos







Entrando nos túneis




De referir que estes túneis foram 30 por cento alargados para poder receber turistas ocidentais. Não sei como conseguiram viver anos dentro destes túneis pois eu não resisti mais de 10 minutos! 
Embora pareçam básicos à primeira vista, estes túneis tinham sistema de ventilação, cozinha, água, dormitórios...


















Dia 16Ho Chi Minh

Ao segundo dia quisemos fazer a popular excursão ao Delta do Mekong como é da praxe... O  Mekong é um portentoso rio que nasce na China e atravessa vários países como Myanmar, Laos, Tailândia, Cambodja, terminando no Vietname.
No delta deste rio magnífico habitam mais de 1000 espécies de animais e também espécies de plantas e de animais ,até aqui desconhecidas!

Infelizmente o passeio que escolhemos foi o que se costuma chamar de "tourist trap", uma autêntica armadilha de turistas como há muito nós (com a experiência que temos adquirido) não caíamos! O passeio consiste em visitar de barco as várias ilhas que povoam o delta do Mekong, até aqui tudo bem. O passeio de barco é agradável, visitar a fábrica artesanal  de doces de côco e afins também! O pior vem depois quando começam a tentar vender-nos tudo e mais alguma coisa em todo o lado que paramos. O mais chato foi quando nos sentaram num barzinho e começaram a trazer frutas e bebidas para provarmos, no final com a maior parte das pessoas a recusarem-se a comprar produtos as colaboradoras tornaram-se agressivas e começaram a pedir dinheiro à descarada!!!

Depois no final fizemos um pequeno passeio de canoa num dos canais que atravessam a ilha. O passeio até seria bastante divertido se não fossem os constantes avisos dos "remadores" dos barcos para que lhes desse-mos dinheiro. No final quem se recusa a dar alguma coisa fica cativo no barco no meio do rio até que se resolva a dar alguma coisa, só aí o levam de volta à margem! São malcriados e o seu comportamento abusivo! No final até se dão ao descaramento de reclamar com os turistas das quantias recebidas!
Se quiser fazer este passeio opte por uma coisa menos comercial. Este incidente foi um dos meus maiores erros na viagem e só veio provar que certas coisas devem ser muito pesquisadas com antecedência!

 
Palácio a meio do caminho para o delta








Fábrica de doces de côco





Ponte de bambú






A burlona, nesta fase ainda com cara de santinha!


O burlado!

Money, money, give me your money!!

Para tirar foto quero dinheiro, disse esta!!




Os que ficaram retidos à espera de pagamento!
Dia 17Ho Chi Minh/ Phu Quoc (o paraíso em mudança)

Nas águas quentes de cor turquesa do golfo da Tailândia existe um pequeno pedaço de paraíso, a ilha de Phu Quoc!  Fica a 50km da costa do Vietname, com vários voos diários a partir de Ho Chi Minh (Saigão).
Até aqui era um destino desconhecido para quem normalmente viaja para o Vietname mas tudo muda, e esta ilha paradisíaca acabou por sucumbir aos interesses económicos!
Grande parte da ilha (37,000 hectares)  é composta por floresta virgem mas a costa, por estes dias, encontra-se em constante desenvolvimento com grandes empreendimentos turísticos em construção.



Quando pesquisava destinos de praia no Vietname, li um artigo que descrevia Phu Quoc como uma ilha virgem pouco explorada do ponto de vista turístico, em que a actividade principal era a pesca e os viveiros de pérolas, e desde logo me apaixonei pelo local!
No artigo referia também que devido às recentes mudanças políticas na ilha diversos empreendimentos turísticos fora aprovados e que esta seria provavelmente a ultima oportunidade para ver este paraíso no seu estado natural!
De facto, depois destes 5 dias memoráveis na ilha, fiquei com 2 sentimentos. Por um lado uma profunda satisfação por ver um local tão genuíno com as suas praias desertas, as suas florestas virgens e outros encantos inexplorados.., por outro lado um sentimento de tristeza por saber que rapidamente tudo vai perder esse encanto natural enquanto o turismo vai corrompendo toda a essência da ilha! É certo que continuará a ser um destino fenomenal, mas para quem conheceu a linda Phu Quoc como eu conheci...

No primeiro dia, depois de deixarmos as malas no nosso hotel (um complexo de bungalows que irá merecer um post mais tarde...) decidimos apenas relaxar na praia Duong Dong ,a mais próxima do hotel.
É uma praia longa e estreita, bastante turística, repleta de hotéis e bares em toda a sua extensão. Nota-se que o turismo ainda não se encontra muito desenvolvido, sendo que o serviço na maioria dos restaurantes, bares, hotéis, entre outros, e bastante rudimentar! De facto o local onde melhor se come em toda a ilha é no mercado da noite junto ao porto de pesca onde nos deliciamos com  marisco e peixe a preços imbatível. Por 20 euros é possível jantar um bom peixe com direito a marisco de entrada e uma boa cerveja local (saigon beer).

A noite, junto ao porto de pesca, é pacífica, com as suas gentes locais e também muitos turistas do continente (vietnamitas) deambulando pelos mercados, saboreando as iguarias da ilha!






 
 
 
     
   
Dia 18Phu Quoc: "Em busca da praia perfeita)

Ao segundo dia alugamos uma scooter e partimos à descoberta da ilha munido apenas com um mapa e o gps do telemóvel. A ideia era percorrer a costa oeste da ilha em busca de praias desertas e aldeias de pescadores, longe da azáfama da cidade de Duong Dong!
Descobrimos uma longa linha de costa com praias quase desertas, de águas cristalinas onde é perfeitamente possível fazer nudismo e apreciar a natureza tal como viemos ao mundo.., mais tarde descobri que havia um "voyeur" ou outro por ali atrás dos arbustos.., mas que se lixe, nós ficamos contentes (enquanto estivemos na ignorância) e ele também à sua maneira!!!




 
 
Uau! Onde é possível uma cena destas em plena época alta? Só mesmo em Phu Quoc!
 


Depois à volta, encontramos esta aldeia de pescadores autêntica e genuína, onde o turismo ainda não chegou. As pessoas foram muito simpáticas, especialmente as crianças, e até pousaram para a fotografia sem qualquer intenção escondida!










 


 
   
 




 








Dia 19Phu Quoc (Desfrutando das praias...)

Dia 20- Phu Quoc - Norte da ilha

No último dia na ilha (snif!!) partimos mais uma vez de scooter para visitar o norte da ilha, relaxamos mais uma vez naquela praia maravilhosa depois exploramos a parte menos conhecida da ilha. 









  









À tarde mais um passeio pelo "Night Market" onde o marisco abunda e a bons preços!






Mais uma despedida difícil...

Dia 21- Phu Quoc/ Ho Chi Minh

Este era o dia que eu tinha programado para ver a cidade depois de termos visitado os Cu Chi Tunnels e o Delta do Mekong nos outros 2 dias. Infelizmente nem tudo corre bem numa viagem e este foi os dos poucos pormenores que não me correram de feição nesta odisseia! Mais uma vez o voo atrasou e só chegamos à cidade a meio da tarde.  Mais não deu do que aproveitar a noite e os bares.

Dia 22- Ho Chi Minh/ Phnom Penh

De manhã bem cedo apanhamos o autocarro (Ómnibus) turístico da Giant Ibis que nos deixaria em Phnom Penh pelas 14h, numa viagem muito longa de mais de 6 horas!
A viagem não foi muito boa. A Estrada em vários pontos é apenas terra batida e o autocarro nunca passa muito dos 60/ 70 km/h. A internet raramente funciona, ao contrário do que é sobejamente anunciado pela Giant Ibis, aliás o próprio autocarro foi o ponto mais negativo de toda a viagem. O ar condicionado dentro do veículo devia rondar os 12 graus, isto num dia que até estava algo frio. Depois de várias pessoas insistirem para que o AC fosse desligado foi nos dito então que o mesmo é automático e só pode ser desligado na central?! Para além disso os funcionários falam pouco inglês e são pouco prestáveis
O resto do dia em Phnom Penh foi dedicado a visitar a zona ribeirinha e alguns templos ali perto.
Phnom Penh  é a capital do Camboja, mas não havia aqui nada que me chamasse a atenção e por isso foi apenas um ponto de passagem, pois a viagem entre Ho Chi Minh e Siem Reap (destino pretendido) é bastante longa.













 

Dia 23- Phnom Penh/ Siem Reap

Uma longa viagem de 6 horas e meia depois e estávamos em Siem Reap onde o ponto alto seriam os inúmeros templos na zona, destaque para o impressionante Angkor Wat!

No primeiro dia visitámos a cidade de Siem Reap, muito vocacionada para o turismo e que impressiona pelo seu desenvolvimento. A cidade encontra-se muito bem fornecida de bares, restaurantes e é muito limpinha contrastando com o resto do país que é muito pobre.
Cerca de 70 por cento da população vive da agricultura, pelo que esta cidade, dependente do crescente turismo que visita a cidade e os seus templos, é bastante importante para o desenvolvimento económico do país.


 
 



Dias 24 e 25 - Visitando os magníficos templos

Porque uma imagem vale mais do que mil palavras, preparei um slide para ilustrar esta magnífica visita aos templos. Veja aqui 




Dia 26 - Siem Reap/ Banguecoque

Voo para Banguecoque .

Dia 27 - Banguecoque/ Pequim/ Madrid / Lisboa

Fim de viagem.  
















Reacções:

0 comentários: